Cursos 24 Horas - Cursos 100% Online com Certificado
Cursos Online com Certificado - Cursos 24 Horas - Matricule-se!

Desconto Especial para Fãs do PIGN - Lojas Renner

B02 - 468x60 calças

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Transformou em pau de bosta

Em carta aberta, reproduzida em diversos blogs, mas que a mídia não ousa comentar, o Procurador do Ministério Público e ex Ministro da Justiça, no governo Dilma, o Doutor (este faço questão de colocar o título, e com letra maiúscula) Eugênio Aragão, aniquilou com o playboy de sacristia, Deltan Dalagnol, o do Power Point, o que não tem caráter, só convicções.
Sobrou no rabo do Moro também.
O motivo foi o amigo do japonês bonzinho ter postado que quem não concorda com a Lava Jato é vira-lata.
Como eu gostaria de ter escrito esta carta!
Claro que o contínuo do Moro, contínuo da Cia, não vai responder.
Estou de alma lavada, enxaguada e no varal, feliz por ver uma nulidade reduzida ao que é, só uma nulidade.
Eis a carta, na íntegra, de leitura obrigatória:
“Minha cartinha aberta ao Dallagnol:
Meu caro colega Deltan Dallagnol,
“Denn nichts ist schwerer und nichts erfordert mehr Charakter, als sich in offenem Gegensatz zu seiner Zeit zu befinden und laut zu sagen: Nein.”
 (Porque nada é mais difícil e nada exige mais caráter que se encontrar em aberta oposição a seu tempo e dizer em alto e bom som: Não!). Kurt Tucholsky
Acabo de ler por blogs de gente séria que você estaria a chamar atenção, no seu perfil de Facebook, de quem “veste a camisa do complexo de vira-lata”, de que seria “possível um Brasil diferente” e de que a hora seria agora. Achei oportuno escrever-lhe está carta pública, para que nossa sociedade saiba que, no ministério público, há quem não bata palmas para suas exibições de falta de modéstia.
Vamos falar primeiro do complexo de vira-lata. Acredito que você e sua turma são talvez os que têm menos autoridade para falar disso, pois seus pronunciamentos têm sido a prova mais cabal de SEU complexo de vira-lata. Ainda me lembro daquela pitoresca comparação entre a colonização americana e a lusitana em nossas terras, atribuindo à última todos os males da baixa cultura de governação brasileira, enquanto o puritanismo lá no norte seria a razão de seu progresso. Talvez você devesse estudar um pouco mais de história, para depreciar menos este País. E olha que quem cresceu nas “Oropas” e lá foi educado desde menino fui eu, hein… talvez por isso não falo essa barbaridade, porque tenho consciência de que aquele pedaço de terra, assim como a de seu querido irmão do norte, foram os mais banhados por sangue humano ao longo da passagem de nossa espécie por este planeta. Não somos, os brasileiros, tão maus assim, na pior das hipóteses somos iguais, alguns somos descendentes dos algozes e a maioria somos descendentes das vítimas.

Como a mesma mídia que destruiu Dilma fracassou miseravelmente na construção de Temer.

Não tinha me dado conta, em 30 anos de redações vividos sobretudo na Abril, do poder destruidor da imprensa.
Só consegui enxergar as coisas de fora. Verdade que o jornalismo de guerra é uma coisa relativamente nova.
A Veja foi pioneira, logo depois da eleição de Lula em 2002. O resto da mídia foi progressivamente aderindo à guerra.
Hoje, você não distingue, na essência, na alma, a Veja e o Jornal Nacional, para ficar num caso.
Isto posto, em minhas reflexões sobre meu ofício compreendi só agora o que se poderia chamar de “Maldição da Mídia”.

Ela destrói, mas não constrói. Um poder de destruição avassalador, mas impotência total na construção.
A maldição fica clara quando você examina o que foi feito de Dilma e o que está sendo feito com Temer.
As companhias jornalísticas acabaram com Dilma. Reduziram-na a nada. Inventaram uma mulher que era analfabeta, incompetente, grosseira e, sobretudo, corrupta.
Não concederam a ela sequer o desejo legítimo — e sustentado pela boa gramática — de ser chamada de presidenta.
Machado de Assis usou a palavra presidenta, mas os barões da mídia e seus sequazes acharam que sabiam mais que Machado.
O trabalho de extermínio de Dilma acabou dando nas convocações para protestos de um público manipulado e idiotizado pela mídia mesma.
Um clássico dos crimes editoriais foi a infame capa, às vésperas da eleição de 2014, em que a Veja afirmava que Dilma e Lula sabiam tudo sobre o Petrolão. A fonte era um alegado delator.
Você tem uma ideia da barbaridade daquela capa quando vê o teor das delações da Odebrecht.
Dilma acabaria virando terra arrasada. O jornalismo de guerra triunfou na obra de devastação de Dilma — e da democracia, e de 54 milhões de votos.